RI-FJP  Centro de Estatística e Informações (CEI)  CEI – Dissertações de mestrado 

Utilize o seguinte identificador para referenciar este item:
http://www.repositorio.fjp.mg.gov.br/handle/123456789/156

Título: Estimativas de expectativa de vida livre de e com incapacidade funcional: uma aplicação de método de Sullivan para idosos paulistanos
Autor: Camargos, Mirela Castro Santos
Orientador: Perpétuo, Ignez Helena Oliva
Coorientador: Machado, Carla Jorge
Membros da banca: Perpétuo, Ignez Helena Oliva
Machado, Carla Jorge
Rodrigues, Roberto do Nascimento
Ferreira, Carlos Eugênio de Carvalho
Nível: Mestrado
Instituição: Universidade Federal de Minas Gerais
Departamento: Faculdade de Ciências Econômicas
Programa: Programa de Pós-Graduação em Demografia
Afiliação: Fundação João Pinheiro
Data: 2004
Descritores: Longevidade
Idoso
Qualidade de vida
Keywords: Longevity
Elderly
Quality of life
Resumo: A população idosa tende a apresentar, proporcionalmente, um maior número de doenças crônicas que, conseqüentemente, levam a maior prevalência de incapacidade funcional e dependência. Considerando esta realidade, o objetivo do presente estudo foi medir, para os idosos da cidade de São Paulo, em 2000, por sexo e idade, a expectativa de vida livre de e com incapacidade funcional. No último caso, foram mensurados os anos a serem vividos com e sem dependência. Para estimar a expectativa de vida em cada condição de saúde, foi utilizado o método de Sullivan, combinando a tábua de vida, com experiência de mortalidade corrente na população em 2000, e a prevalência de incapacidade funcional e de dependência. As informações empregadas foram obtidas a partir de três fontes de dados: Projeto SABE, Fundação SEADE e Censo Demográfico. Os resultados indicaram que, em 2000, ao atingir os 60 anos, os homens paulistanos podiam esperar viver, em média, 17,6 anos, dos quais 14,6 (83%) seriam vividos livres de incapacidade funcional. Já entre as mulheres, apenas 16,4 anos (73,7%), dos 22,2 anos remanescentes, seriam vividos livres de incapacidade funcional. Nesse mesmo contexto, entre os homens, 1,55 ano (8,8%) seria vivido com incapacidade funcional e dependência contra 2,5 anos (11,1%) das mulheres. Adicionalmente, pode-se observar que, apesar de em termos absolutos a diferenças entre os sexos diminuírem com o avançar da idade, em termos relativos as diferenças se ampliam, com maior desvantagem feminina. Concluiu-se este trabalho ressaltando que, apesar das mulheres idosas paulistanas apresentarem maior expectativa de vida, em relação aos homens, a proporção de anos vividos livre de incapacidade funcional é menor. Além disso, nas idades mais avançadas, essas passarão um número maior de anos com incapacidade funcional e dependência.
Abstract: The elderly population shows a higher number of chronic illnesses compared to any other age group and, therefore, a higher prevalence of functional disabilities and dependence. Given that, the aim of this study was to estimate, for the elderly of the Municipality of São Paulo in the year 2000, for each sex and age, the life expectancy free of functional disability and with functional disability, using the Sullivan’s Method. In this latter case, the remaining years to be lived with and without dependence were also estimated. Data came from three sources: the SABE database, Population Censuses, and mortality statistics (from SEADE Foundation). The main results are as follows: at age 60, men could expect to live an additional 17.6 years. Out of these, 14.6 were expected to be free of functional disabilities. For women, these figures were 22.2 and 16.4, respectively. For men, 1.55 year could be expected to be lived with functional disability and dependence, and for women this figure was higher, 2.5 years. Another finding was that in absolute numbers the sex-difference is shortened with age, but in relative terms this trend is reversed, and there is a female-disadvantage. In conclusion, even though women show a higher life expectancy, the percentage of years free of functional disability, compared to men, is smaller. Also women will live a higher number of years with functional disability and dependence.
Referência: CAMARGOS, Mirela Castro Santos. Estimativas de expectativa de vida livre de e com incapacidade funcional: uma aplicação de método de Sullivan para idosos paulistanos. 2004. 94 f. Dissertação (Mestrado em Demografia) - Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo horizonte. 2004.
Aparece na(s) coleção(ções):CEI – Dissertações de mestrado

Arquivos deste item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
Estimativas de expectativa de vida livre de e com incapacidade funcional.pdf392,77 kBAdobe PDFVer/Abrir
Visualizar estatísticas

Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons

Creative Commons

Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.